Google+ Followers

domingo, 22 de setembro de 2013

Bem-vindo Outono.

Primeiro dia de outono. Impossível. O calor que se faz sentir não é prenúncio de que o Verão já lá vai e preparamos-nos para entrar no Inverno. Seria pior se estivéssemos em pleno Game of Thrones. Aí o Inverno seria inevitavelmente dramático. O último tinha durado 9 anos. Habitualmente aprecio as 4 estações, embora essas já só existam nas memórias de infância. Até aí a austeridade se fez sentir. Reduziram-nos as estações em 50%. Tenho excelentes recordações dos Outonos. O início das aulas. O regresso das terras de Vera Cruz. Os namoros escondidos e proibidos - só no nosso espírito. O outono veste as pessoas do deboche do Verão que se esfumou. É um regresso à realidade, uma tábua rasa dos excessos do Verão, das férias. No entanto, o Verão insiste em não nos abandonar. Estou quente, quase febril. Mais uma semana que se passou e que espremida só caiu sumo azedo e bolorento. O outono já foi verão e já se transformou em inverno. No outono a hoegaarden cobiçada pelo Duque de Saldanha alimentou-nos conversas intermináveis. Os encontros furtivos por esses parques de estacionamento fora, as despedidas com beijos roubados pelos cantos da boca. Esse outonos não morrem. Agora este em que mantenho alegremente os polos lacoste nas gavetas diárias não é de confiança. Começa a fazer falta o friozito da manhã, o céu encoberto e os primeiros cheiros a terra molhada. Adoro as primeiras chuvas. Depois, como tudo na vida, tornam-se cansativas pela insistência. Achei apropriado ouvir Sade enquanto escrevo. E como muitas outras músicas, fez-me recuar no tempo. Nessa altura ainda existam lojas Singer que vendiam as coisas a prestações. A net era uma miragem e os telemóveis só nos pulsos do tipos do espaço 1999. Nessa altura, na década de 80, no outono, após o início das aulas pedi ao meu pai uma aparelhagem - como se dizia na altura. Recordo-me do cd de demonstração ter músicas de Sade e Terence Trent D´Arby. O som era uma merda e acabei por não concretizar o meu desejo. Mas o momento ficou e era outono.

1 comentário:

Comentem o que vos apetecer. Viva a liberdade de expressão!