Google+ Followers

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Chocolate Muffin

Percorremos as ruas frias e escorregadias envolvidos um no outro. Os prédios de fachadas tortas caiem à nossa volta. Amparamos-nos mutuamente. Andamos às voltas num chão de algodão macio e terno. Os neons iluminam as nossas faces apaixonadas. Perdemos-nos nas montras de mil e um objectos coloridos. Tocas-me, sinto pequenos choques e formigueiros ao longo de todo o corpo. Paro no tempo e no espaço. Só tu interessas. Olha para o mapa do nosso amor e desperto com o teu beijo húmido no meu ouvido. Ao longe ouço em surdina as pessoas caminhando. O rapaz emagrecido carregando a bicicleta negra parece-nos dirigir palavra. Não entendo. Só tu interessas. Os cisnes dançam nos canais gelados desviando-se dos barcos que lentamente rasgam as águas geladas. Só tu interessas. Perco-me no teu olhar, na tua voz, no calor do teu corpo. Um saco de plástico agita-se e viramos-nos como se alguém nos perseguisse. Percorremos as ruas frias e chegamos a casa. Andamos às voltas, perdidos nos braços um do outro. O tempo passa lentamente, mais do que o habitual. Nessa noite entregamos-nos um ao outro com a intensidade do primeiro amor, da primeira paixão. Amamos-nos durante a noite. Ao longe o relógio lentamente transpirava segundos demorados. Senti o teu corpo em perfeita sintonia com o meu. Fundimos-nos num só. Penetrei-te lentamente. A corrente percorria os nossos dois corpos como se de um só se tratasse. Cada poro teu era meu. Cada pedacinho de pele pertencia-me. E eu a ti. Fomos um só ser percorrendo as ruas frias e escorregadias que tu agora percorres sozinha. O elefante cor-de-rosa olha-nos de cima. O nosso amor abençoado por Ganesha. Ignorámos tudo e todos à nossa volta. Só tu e eu interessávamos. O chocolate derretido envolvia-nos em mil cores, em mil sons, em mil emoções que sentimos intensamente. Os cânticos dos homens vestidos de hawaianos envolvem-nos. Rimos do fundo do nosso espírito. Beijamos-nos intensamente como se só beijam os seres uníssonos. Quando nos despedimos foi como se tivesse sido arrancado de ti. Separam-nos como se de dois siameses toracopagos nos tratássemos. O coração era único. Levaste-o contigo para longe, para a cidade do amor em espelho. Fiquei ressequido vendo-te partir. Desesperei até ao próximo encontro. Mantive-te sempre em pensamento. Cada dia, cada hora, cada minuto do meu tempo. Que saudades tenho de comer um muffin de chocolate.



Sem comentários:

Enviar um comentário

Comentem o que vos apetecer. Viva a liberdade de expressão!