Google+ Followers

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Jazigo


No dia em que te conheci não te liguei. Ignorei-te forçadamente. Não te quis dar confiança. Mas fixei-te. Retive o teu olhar doce. Guardei o teu cheiro açucarado perto de mim. Imaginei o sabor dos teus lábios tal como os senti mais tarde. No dia em que te conheci comecei a morrer. A pouco e pouco despedacei-me até ao dia em que nos separámos. No dia em que te conheci nasci. Renasci. Para imediamente comecar a morrer. Desapareceste da minha vida e no entanto estás tão presente. E fazes por isso. Mesmo sem sentido. No dia em que te conheci quis-te possuir, fazer amor contigo, encostar-te á parede, penetrar-te, sentir-te escorrer, morder os teus lábios. Mas ignorei-te e comecei a morrer. Matas-me com cada pensamento teu. Cada memória tua é uma farpa no meu espírito. Atraiçoas-me mesmo sem estares presente, sem estares na minha vida. Quero-te longe de mim e no entanto não te consigo esquecer. Mataste-me e eu permiti. Por ti magoei, por ti magoei-me. Apaixonei-me, e isso é incontrolável. Não quis deixar de viver algo que sabia que poderia ser a minha relação mais intensa. E de facto foi-o. No dia em que conheci comecei a morrer. Habito um jazigo sem a tua presença. Também tu morreste para mim. Resta-me amar as nossas memórias.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comentem o que vos apetecer. Viva a liberdade de expressão!