Google+ Followers

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

sadness

Há fantasmas que nunca nos abandonam. Há fantasmas que inconsciente ou deliberadamente nos molestam, ou a quem nós gostamos. Há fantasmas dos quais não nos sabemos defender. Por muito distantes que estejamos e os tenhamos conseguido exorcizar eles sazonalmente voltam para perturbar o nosso bem-estar e o dos que nos rodeiam. Habilmente lançam pequenas farpas ácidas que tentam corroer o amor dos outros. Há fantasmas que o são porque em vida nos fizeram mal e nos libertamos. Há fantasmas que se alimentam da angústia e da tristeza dos outros. Há fantasmas cujo o amor os revolta e usam meios aparentemente inocentes para tentar destruir aquilo que eles não tiveram. A única forma de evitar as suas tentativas cíclicas de instabilidade passa pela solidez do amor. É a única arma possível contra o egoísmo e inveja destes negros fantasmas. Quando o amor é sincero, puro e cristalino esses fantasmas perdem toda e qualquer capacidade de provocar qualquer mal que seja. Estejamos nós preparados para as suas investidas e lutemos contra as suas tentativas destruidoras.

Estou triste porque estás triste. Fazes parte de mim como eu de ti. Dançamos em uníssono no espaço sideral apesar dos nossos corpos afastados. A tua voz melancólica lança-me lágrimas que se libertam perante a dor que sinto. Não posso permitir que esses fantasmas possam de alguma forma criar tristeza no seio do nosso amor eterno. Não é justo. O amor é inesperado e o teu foi-o, daí a sua pureza e ser maior. Preocupo-me mesmo que me digas que não há razão para isso. Há sempre uma razão para a tristeza e embora ela faça parte da vida, entristece-me quando estás triste.

Aguardo o teu abraço terno e caloroso.

1 comentário:

  1. Olá me chamo lapiobella...e gostaria muito de falar com vc, me add no msn queria tirar umas duvidas com vc...obrigada...

    ResponderEliminar

Comentem o que vos apetecer. Viva a liberdade de expressão!